“Um” intento é o ato de alinhar imediatamente ou progressivamente o nosso sentir e a nossa vontade com uma nova sintonia, uma nova maneira de experienciar o mundo e a nós mesmos… em outras palavras, com uma nova posição do ponto de encaixe.
.
Cada um desses alinhamento é uma dentre as INÚMERAS expressões possíveis daquilo que os videntes chamam de Intento, ou Intento do Infinito.
.
“O” Intento é a força presente em todos os aquieagoras…
.
A força da qual toda experiência é feita…
.
E dentro da qual toda experiência ocorre.
.
Cada experiência individual é uma modulação diferente dessa mesma força.
.
Como o Castaneda entendeu no livro o Poder do Silêncio, o ponto de encaixe também poderia ser chamado de “ponto do Intento”.
.
Essas palavras podem não fazer sentido pra muitos de nós ainda, mas elas buscam apontar que a experiência direta do Intento e sua consequente compreensão estão ao nosso alcance, aquieagora, se cumprirmos alguns requisitos.
.
O nagual Juan Matus revela, nesse mesmo livro, que os requisitos para o Intento são três: a Frieza, o Abandono, e a Audácia.
Através desses 3 requisitos podemos nos tornar plenamente conscientes do Intento (Consciência Total) e aprender a manejá-lo (em outras palavras, a mover o ponto de encaixe).
.
O primeiro dos requisitos, a Frieza é a não-piedade com a nossa experiência como um todo.
A frieza é algo geralmente repreendido socialmente. Mas não se trata aqui de ser indiferente ou rude com as pessoas e condescendente consigo.
Se trata de uma Frieza geral, com as (auto)piedades e (auto)importâncias, que faz a nossa descrição atual de mundo parar.
É uma implacabilidade com a nossa própria pessoa, que se estende de forma equânime sobre toda a experiência. Dentro dessa Frieza nada mais é importante, e assim limpamos momentaneamente a ilha do tonal.

.
O segundo requisito, o Abandono, é o ato de soltar qualquer controle ativo sobre a experiência.
A Frieza é cortar os vínculos com essa ilha do tonal, e o Abandono é como subir no barco e erguer a âncora.
Só a Frieza não basta. Alguém pode momentaneamente limpar a própria ilha e, ao continuar nela, eventualmente se agarrar a algum pensamento e preocupação…. reconstruir a descrição de mundo… e quando menos perceber, estar com o tonal novamente de novo de velhas preocupações, julgamentos, anseios e apegos.
O Abandono é soltar-se de toda a descrição de mundo uma vez que ela foi parada, esquecer-se dela… deixá-la ir embora naquele instante.
.
Com Frieza e Abandono, alcançamos o silêncio e a fluidez.
Entramos em um estado de não-saber.
Erguemos a âncora de certezas que prendia nosso ponto de encaixe naquela posição e tornamos ele fluído.
Retiramos toda a atenção que vinha sendo empregada em sustentar uma perspectiva sobre as coisas e temos energia livre pra um novo intento.
.
A partir dessa neutralidade silenciosa, o primeiro pensamento que surge se torna um novo comando.
.
Qualquer pensamento, nesse vazio, pode começar a fomentar o vislumbre de um novo alinhamento, de uma nova experiência.
.
É então que entra o terceiro requisito: a Audácia.
A Audácia é o ato de ousar se colocar na posição onde já estamos alinhando, agora mesmo, a experiência que estamos intentando.
Se podemos imaginar, ou pelo menos formular, podemos sentir. E se podemos sentir, podemos alinhar. E então podemos sustentar o novo alinhamento.
.
Isso vale pra qualquer intento, dos mais mundanos, corriqueiros e concretos,
aos mais abstratos, desconhecidos e aparentemente impossíveis pra razão,
porque o que quer que intentemos já existe dentro do Infinito
(o que quer que intentemos JÁ existe dentro do Infinito)
e pra que isso se torne nossa experiência,
não é uma questão de “criar” algo com a nossa percepção,
mas de sintonizar a posição onde aquilo JÁ está ocorrendo agora.
.
Esse é o Poder ao nosso alcance enquanto seres luminosos, enquanto percepções dentro do Intento Ilimitado.
.
Pra manejar devidamente o Intento é preciso ter derrotado os 2 primeiros inimigos da caminhada: o Medo e a Clareza Mental.
Caso contrário, o Medo irá influenciar ou trancar nossa imaginação, e a Clareza Mental nos impedirá de conceber possibilidades não-lineares e de acreditar na nossa capacidade de alinhá-las.
.
Lembrando que o manejo do Poder ainda não é a Liberdade Total.
E lidar com o Poder sem sabedoria e sobriedade pode ser até pior do que nunca tê-lo conquistado.
Mas lidar com ele com sobriedade é uma porta para adquirirmos liberdade de percepção,
nos tornarmos compositores da nossa jornada,
e quem sabe… compreender que a completude não está em manejar o Intento…
…. mas na possibilidade velada, que todo ser tem, de nos darmos conta de ser UM com ele.
.
Não importa se não sabemos na prática o que é “Ser um com o Intento”, nem como nos tornarmos conscientes dele.
Se pudermos reunir a Frieza e o Abandono necessários para parar a nossa descrição de mundo,
e a Audácia de acreditar que é possível despertar para o Intento agora, isso já é suficiente.
.
Não é arrogância estar consciente de ser um com o Intento, ou de não ser nenhum com o Nagual.
A arrogância, na prática, vem de acreditarmos que somos entidades separadas dele.
.
Nagualuno

https://www.facebook.com/Luno-Maroscuro-106079237749693/
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *