Os toltecas falam sobre tonal e nagual como uma dualidade, mas não é o que geralmente entendemos por dualidade.⁣
Dom Juan falava sobre o tonal como uma ilha. E dentro dessa ilha está não só tudo o que conhecemos e pensamos, mas também tudo que podemos vir a conhecer e pensar.⁣

O tonal é a parte em nós empenhada em delimitar, fazer sentido das coisas, e trazer ordem ao reino da percepção.⁣
Considere isso: quando falamos habitualmente sobre dualidade, falamos sobre bem e mal, dentro e fora, corpo e alma, mente e matéria, dor e prazer, e assim em diante, como sendo polaridades fundamentais.⁣

Mas na perspectiva tolteca, ao fazermos isso, estamos apenas pegando dois itens do nosso tonal e os contrapondo um ao outro. ⁣

Ao criar divisões dentro de si mesmo e povoar a percepção com as suas criações, o tonal absorve tão totalmente a nossa atenção que acaba por ofuscar por toda uma vida a outra metade da nossa totalidade. ⁣

Os novos videntes dizem que de guardião o nosso tonal acaba se transformando em uma espécie de guarda tirânico que nunca solta o controle. E essa ilha acaba se transformando em uma prisão, a prisão da nossa visão de mundo, na qual entramos ao nascer, e da qual, em circunstâncias comuns, só saímos mesmo quando morremos. ⁣

Porém, não era pra ser assim. O nosso tonal pode se tornar a chave através da qual abrimos as portas para a totalidade do nosso ser em vida. Visando essa meta os toltecas desenvolveram uma série de práticas às quais chamaram de “caminho do guerreiro”.

— Célula Nagual

A Célula Nagual é uma escola online de Nagualismo, mantida por praticantes de uma linhagem moderna.
Para acompanhar as próximas postagens, acesse o Instagram da Escola: https://www.instagram.com/celulanagual/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *