A questão é realmente relevante. Particularmente para mim. As crianças. Os filhos não são tão simples. Primeiro, é um desejo de ajudar o pequeno ser e encaminhá-lo para determinado caminho. Por outro lado, é o ser individual que, em última instância, escolhe por si mesmo o que fazer. Assim, surge uma situação complexa: por um lado você quer fazer o melhor possível pelo ser que você ama. Por outro lado, a criança faz sua própria escolha. E também há a sociedade na qual a criança eventualmente se integra e isso causa um impacto sobre ela. O melhor que posso recomendar é que você atue de forma impecável, faça pelo ser que você ama o melhor que puder, mas não tente impedir que ele se desenvolva de forma independente. Particularmente, posso compartilhar minha experiência. No meu caso, um garotinho que estava com quase 5 anos e eu começamos a trabalhar com ele quase a partir da segunda semana, a partir do décimo dia de nascimento. Obviamente, o primeiro é o contato físico. Eu fiz pressão muito suave nos músculos, alongando ligamentos, pés, mãos, coluna vertebral. Como resultado, a criança com 3,5 meses de idade estava engatinhando nas escadas para cima e para baixo. Diferentes alongamentos, separações… E em 5 meses o menino estava de pé e tentava andar sozinho. É um ser muito feliz e alegre. Mas ele está com quase 5 anos agora e faz suas escolhas de forma totalmente independente. Ele nem sempre concorda com minhas decisões e eu permito que ele faça isso. É claro que não durante os treinos, embora mesmo lá ele faça tudo como achar melhor. Ele desenvolve traços sociais e, ao mesmo tempo, tenta fazer tudo de forma diferente de seus colegas. Mas essa escolha é dele e não minha. Por um lado, ele interage com todas as crianças, mas não consegue acatar uma ação em comum quando todas as crianças se sentam e ouvem o professor ou obedecem. Ele não gosta de obedecer a ninguém. E aqui o pai tem um problema. Por outro lado, eu, como vidente, estou feliz com isso, mas como pai, não estou. Portanto, não posso dar instruções precisas. Eles ainda não fazem pílulas para impecabilidade.

Ele começou a fazer certas coisas no kung-fu. Mas para uma criança com menos de 5 anos, kung-fu não é kung-fu; é uma coleção de certos movimentos engraçados. Em alguns ele quer participar, em outros ele apenas se deita e recusa, e não vai seguir. Dou-lhe exercícios que ele é capaz de compreender. As crianças podem alegremente fazer algumas acrobacias e então se recusar a fazer sequências. Por exemplo, golpes rápidos ele está fazendo com alegria, mas o rolamento ele vai recusar, deitar no canto e cantarolar uma música. Resumindo, não é kung-fu, é exercício. Mas ele alegremente coloca brilho no que faz, bate em outras crianças e elas batem nele. Tudo isso é muito fofo, pois eles não batem realmente, mas se acariciam, como gatinhos.

Essa é uma questão importante. Obrigado! De fato, ofereço a ele uma versão diferente de descrição do Universo. Ele pode ver facilmente os fios de energia e contar diferentes histórias sobre suas viagens. De manhã ele acorda e antes de tudo corre para me contar seus sonhos. Normalmente, exatamente na hora que ele acorda, tento anotar meus sonhos no caderno ao lado da minha cama e ele pergunta: “O que você está fazendo?”, E eu digo: “Não me incomode agora, estou gravando meus sonhos.” Então ele me descreve seus sonhos. Então, não posso mais gravar o meu. E é claro que andamos muito. Às vezes, viajamos para o deserto. Eles gostam de caminhar nas montanhas à noite e durante o dia. Se você estiver em Vancouver há um pequeno deserto ou um parque, você pode dar um passeio lá. Isso pode ajudar as crianças. Mas você pode escolher suas próprias atividades interessantes para tirar os pequenos seres das pressões sociais, para permitir-lhes alguma liberdade.”

– Nagual Michael Krelman

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *