o segredo da serpente emplumada armando torres

“Aprendemos que criamos o mundo com a atenção e o mantemos estável com a vontade. Dizemos que as coisas são assim e assado, que acreditamos nisso e naquilo, asseguramos que as coisas são de tal ou qual maneira. Ao fazê-lo, os bruxos dizem que decretamos o mundo, estabelecemos seus parâmetros.

Dona Silvia nos aclarou este ponto quando disse:

– Determinar é como plantar sementes de intenção para que germinem depois. O que ela quis dizer foi que, colocando o nosso intento em determinada coisa, ela mais tarde se torna realidade, então temos que ter cuidado com os pensamentos e palavras que saem de nossas bocas já que, enquanto não se tem nenhum controle, o intento que nos chega é cego.

Advertiu:

– Você tem que ter muito cuidado ao decretar, porque funciona nas duas direções. Com igual intensidade pode ser decretado amor ou ódio, perdão ou vingança. Aqueles que escolhem o mal estão condenando a si mesmos, já que estamos atados aos nossos mandamentos e tudo o que é decretado nos volta depois.

“Não é que existam dois tipos de intenções, mas que se decreta a continuidade. Decretar deliberadamente o futuro é decretar o que acontecerá a seguir. A maneira de fazer isso é instigar o intento. Para este propósito, os feiticeiros freqüentemente usam gestos e palavras encobertos, entre outras técnicas. O que realmente importa é que, depois que o intento é estabelecido, o guerreiro deve permanecer em silêncio, esperar pacientemente e os resultados se darão.

“Ao estarmos atados aos nossos hábitos, vícios e sentimentos, inconscientemente, decretamos suas continuidades.
A única maneira de quebrar essa corrente é decretar o contrário. ”

– Você pode nos dar um exemplo do que realmente é decretar? – perguntou um dos assistentes.

– Decretar é mais do que apenas dizer a si mesmo em automático que tal coisa é assim ou assado – ele respondeu -. Decretar é se dar uma ordem e fazer mais do que o impossível para cumpri-la. No começo, pode ser difícil, mas, contanto que você mantenha sua decisão repetidas vezes, chegará o tempo em que seus comandos serão a lei. “Dar a si mesmo um comando significa que você se dá uma ordem. Um comando não é uma promessa, não é tentar ou provar algo, é uma ordem, algo que deve ser obedecido. É algo muito mais profundo que o mero desejo.

“Uma vez que a palavra é dada, uma vez que um compromisso é estabelecido, forças são liberadas que forjam e moldam o mundo; assim, comprometemos nossa vontade com a dos outros. Agora, se por alguma razão faltamos com nossa palavra, enfraquecemos nossa vontade e enlamearemos nossa conexão com o intento.

“Para estar no caminho há que se por os pés no caminho. Não há substituto para isso. Tome-se como um exemplo – ele disse ao camarada que lhe fizera a pergunta -. Você vive se queixando por não ser capaz de entrar no ensonho, quando o que você deve fazer é simplesmente dar-se uma ordem e convencer-se de que você já é um sonhador, que você já está lá.

“Somos o que dizemos que somos; isso funciona tanto para o bem quanto para o mal. Se queremos mudar algo em nós mesmos, devemos começar repetindo a mudança desejada uma e outra vez. Mesmo que a princípio as afirmações que usamos não sejam inteiramente verdadeiras, isso não é muito importante porque, com o tempo, elas permanecem fixas, nossos comandos são transformados nos comandos da águia.”

(O Segredo da Serpente Emplumada, Armando Torres)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *