, , , , ,

Atenção…

A Primeira Atenção é a própria projeção, a projeção do Duplo. A Segunda Atenção é uma atenção que os humanos podem desenvolver em situações diferentes do nosso mundo cotidiano.

A Segunda Atenção é o relacionamento com nosso corpo energético. O corpo energético é um aglomerado de atenção do Duplo que se desloca entre os mundos. Não é o casulo que circunda o corpo físico; o casulo é uma âncora da projeção. Para ver o casulo, é preciso estar na Segunda Atenção. A Terceira Atenção é a atenção do Duplo em si, a atenção do Mar Escuro da Consciência. O duplo é um conjunto de unidades semelhantes ao Mar Escuro da Consciência.

Um duplo é o Mar Escuro da Consciência… Que também consiste dessas unidades.

As unidades são independentes e se comunicam. Vou tentar explicar como o Mar Escuro aparece. Nós, os seres humanos que estão interagindo aqui agora, estão no 4º nível de densidade do nosso Mar Escuro da Consciência. Nosso Mar Escuro da Consciência criou vinte e quatro níveis de densidade. Ao mesmo tempo, há uma força no universo que constantemente produz Mares Escuros. Eles são muito numerosos. Esta força está situada muito além das possibilidades dos seres humanos. Mas, apesar disso, é acessível para nós, pois fazemos parte do que ele projeta.

Nossa galáxia também faz parte dela. Tudo que você vê, tudo que você sabe e muito do que você não sabe é uma projeção dessa força. O que observamos como nossa galáxia é um conglomerado de consciências nos níveis de densidade abaixo da 6ª. Todas essas consciências são projeções.

Podemos perceber co-projeções. Por exemplo, toda estrela também é uma projeção, uma projeção da própria galáxia. Estrelas são maravilhosas bolhas de energia. Eles são conscientes, muito amáveis, gentis e simples. Você pode fazer amizade com eles e interagir com eles. Eles vão encher você com uma energia muito suave. Eles são altamente conscientes do sexto nível de densidade. Às vezes, níveis mais altos de densidade, 9 ou 10, podem se projetar nas estrelas. Mas nós os vemos como luz.

Também somos co-projeções, e o Sol é uma co-projeção. Vemos o Sol como uma bola, porque somos bolas. Você pode vê-lo porque a energia do Sol também faz parte da sua energia. Você só pode perceber a energia que você tem em seu casulo. Se você não tem um certo tipo de energia em seu casulo, não a percebe. Nossa Terra é uma bola para nós, porque a percebemos como uma co-projeção de outras bolas. Sonhamos ela e ela sonha conosco. Sonhamos um com o outro.

Mas quando você vai além do 7º nível de densidade, percebe apenas energia. Por energia, quero dizer projeções do Mar Negro da Consciência, as Pétalas. A pétala consiste em uma bola elástica macia de energia insuflável no meio que se projeta para o infinito, mas seu brilho é visível apenas em um espaço limitado ao seu redor.

As unidades não se esqueceram de si mesmas; mas nós, as projeções, nos esquecemos. No caminho da lembrança, as dificuldades não faziam parte do design, mas ocorreram de maneira inesperada. Nós, humanos, tendemos a acreditar que alguém intencionalmente quer dificultar nossas vidas. Eu acho que é um problema da nossa educação. Sempre nos dizem: “Não toque neste copo, você o derruba e será punido. E se você se comportar, nós lhe daremos algo bom para comer. ” Mas uma falha aconteceu ao longo do caminho. Para explicar isso, terei que explicar como comecei a perceber as pétalas e como elas se multiplicaram.
Existe uma grande força onipotente em algum lugar lá fora, constantemente produzindo impulsos idênticos. Esses impulsos são as pétalas. Essa fonte vive no perpétuo aqui e agora. E não tem nenhuma limitação.
Essas pétalas precisam retornar ao local onde foi tomada a decisão sobre sua criação. Até recentemente, essas pétalas flutuavam sozinhas enquanto exploravam suas possibilidades e o caminho de volta. Nosso Mar Negro da Consciência (cujas projeções somos) criou o programa um pouco diferente dos outros. Ele se perguntou: “Quem sou eu?” Afastou-se e olhou-se do lado de fora. Como não possui pernas ou olhos, a expressão não é literal. O que viu surpreendeu. Depois voltou a pensar no que acabara de ver. Mas no momento em que se afastou para se olhar, criou uma projeção de si mesmo. Aconteceu não deliberadamente, mas acidentalmente. E quando decidiu voltar a pensar no que tinha visto, já havia três deles. Foi realmente intrigado. E então decidiu novamente atravessar esse limite vibracional entre si e aquele que se observa. E, assim, fez um número infinito de cópias do eu. Quando acumulou uma enorme massa de cópias vibracionais do eu, decidiu explorar o que mais poderia fazer. Perguntou a todas as cópias – “quem queria explorar suas próprias possibilidades”. Dois grupos de pétalas disseram que sim. Atravessaram novamente a fronteira invisível até o lugar onde podiam se contemplar e começaram a pensar.
Eles decidiram dividir o Mar Negro em sete níveis de densidade em cada lado do centro onde estavam localizados, e em cada nível reuniram grupos de pétalas de um certo tipo. Em cada nível mais distante do centro, os grupos de pétalas eram menores e cada um deles foi trazido a essa densidade de acordo com uma idéia desenvolvida pelos dois primeiros grandes grupos.

O comando era criar, explorar.”

— Texto e Ilustrações: Nagual Michael Krelman
Tradução: Diego Alex
https://www.facebook.com/groups/1840632612887142/permalink/2703916449892083/

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *