,

Aonde vamos depois de morrer?

PERGUNTA: Aonde vamos depois de morrer?

-KuriOsa: Bom dia. Neste momento de mudança que estamos vivendo, minha configuração está mudando e minha percepção mudou … do planeta Terra, da morte … do céu … bem, a pergunta é longa, e não tão básica. Minha pergunta agora é: se viemos de tantos lugares e de tantos outros mundos e seres, para onde vamos quando deixamos essa fase? ou … se é impossível saber … como sempre, devemos dar atenção a este tópico? Quem nos guia para ir aonde há seres com afinidade? Intuo que com tudo o que não sabemos, ao morrer e não acho que haja um tubo de luz como nos filmes. Tenho este assunto em mente neste último ano e ninguém sabe como responder. O que sei é que devemos viver melhor, e que se morre muito mal, não há conhecimento ou informação compartilhada sobre isso, exceto por algumas coisas que investiguei que os japoneses fazem que preservam os rituais sagrados da partida.

— SistDeBurb: De acordo com o que sabemos, a vida e a morte são um eterno sistema de reciclagem da Consciência. Para fazer cada viagem, a Consciência se associa temporariamente (seja milhões, milhares, centenas de anos… ou sejam horas ou até segundos de vida) e usa diferentes veículos físicos ou não físicos, ou físicos E não físicos (como nós) ao seu alcance, uma opção de cada vez. O processo é mágico e misterioso, mas podemos imaginá-lo de uma maneira que possamos entender:

Imagine um mar infinito (Deus ou o Ser Supremo ou o Infinito ou o Abstrato ou o Início e o Fim, etc.) formado por uma infinidade de partículas individuais, por faíscas (sementes da Dar-se-Conta) e, ao mesmo tempo, unidas nesse mar. Essas partículas se combinam e se recombinam de maneiras infinitas e, em seguida, o estalo de algum ato reprodutivo agrupa uma quantidade dessas sementes em algum lugar daquele mar e esse “cacho” de sementes se separa desse mar e se junta ao veículo que o “puxou” para aquele lugar no multiverso, do tonal ou do nagual. Esse veículo pode ser qualquer uma das espécies e raças quase infinitas de seres físicos ou não físicos ou físicos e não físicos (como nós) no multiverso, na forma embrionária (reprodução lenta) ou completa (clonagem e outros).

Enquanto existir como um corpo físico dotado de consciência (aquele aglomerado de pequenas sementes de dar-se-conta que momentaneamente se separou daquele mar), acende ou não acende essas sementes, de uma em uma, ou muitas, e com isso as faz brilhar e aumentar o brilho dessa consciência. Então essa consciência se separa desse corpo físico, as sementes se separam e retornam ao mar, onde deixam seu brilho e se tornam sementes novamente, para se combinarem e recombinarem novamente e, eventualmente, viajar novamente, mas em um aglomerado diferente.

É como o ciclo da chuva. Os átomos na água evaporam e se elevam, tornam-se nuvens, viajam para algum lugar alto e ali se tornam gotas de água, depois córregos e rios. Algumas gotas retornam diretamente para o mar, outras ficam presas em uma poça ou lago ou lagoa ou são absorvidas pela terra … mas elas sempre retornam ao mar para seguir o mesmo ciclo … cada gota em cada uma dessas viagens tem os mesmos átomos, mas não é a mesma gota porque suas possibilidades de combinar e recombinar seus átomos são praticamente infinitas. Quando uma gota recombinada sobe novamente do mar, ela deixa sua “experiência de vida” (minerais e outros produtos, substratos da vida, digamos), e completamente limpa e em outro grupo sobe novamente para iniciar o ciclo novamente … a vida é um ciclo semelhante.

Quando vivemos, nosso objetivo é acender o maior número de sementes para perceber que elas formam nossa Consciência daquele momento, nem todos conseguem, e alguns só conseguem acender algumas pouquinhas enquanto existem … de acordo com a quantidade que conseguirem acender, será o tipo de sementes de dar-se-conta em que se transformarão. As sementes que retornam ao mar de consciência após a morte de um homem são agrupadas e recombinadas por diferentes tipos, de acordo com seu “nível de consciência” anterior ao seu retorno a esse mar, ou à sua morte neste mundo. Se o nível que obtiveram foi baixo, uma vez despojadas de sua experiência de vida, quando elas se reagruparem e retornarem, será para usar veículos mais simples na vida … quer dizer, para ilustrar com um exemplo, se ao viver eu me comporto como um porco, provavelmente as sementes da minha consciência, quando retornarem ao mar e se recombinarem, se alguma delas voltar à vida como parte de outra consciência, mais provavelmente ela voltará a habitar o corpo físico de um porco … e assim por diante, para todo o sempre.

Nunca a mesma combinação de sementes de dar-se-conta que formam uma consciência (indivíduo) volta a se repetir exatamente uma vez que é reciclada, já que as possibilidades de uma consciência possuir as mesmas sementes da vida anterior ao serem reabsorvidas pelo mar de Consciência, são quase impossíveis, principalmente se a pessoa acender muito poucas sementes enquanto vive.

No entanto, existem seres que acendem todas as suas sementes enquanto vivem ou usam truques, aparelhos, ajuda de outros seres, construtivos ou destrutivos, para preservar sua consciência coesa (suas sementes de dar-se-conta não se dispersam ou retornam ao mar da consciência imediatamente) após a morte, e então permaneçam neste mundo observando e esperando que algum veículo esteja disponível (são atraídos pelas explosões de relações sexuais como uma mariposa é atraída pela luz) e que tenha afinidade com seus propósitos; esse certamente não é o caso do Homo em geral, mas de algumas exceções, tanto construtivas quanto destrutivas … mas outras espécies podem fazê-lo deliberada ou semi-deliberadamente, mas são poucas. Os toltecas recomendam a recapitulação (é como descartar todos os minerais e devolvê-los ao mar), para que possam continuar conscientemente sua jornada de consciência, aspirando a outras opções cada vez mais conscientes.

Esperamos ter respondido de alguma forma à sua pergunta.

Saudações e boa sorte no seu caminho.

— Página El Sistema de Burbujas
Tradução J Christopher

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *