Neste trecho do Poder do Silêncio, em que um misterioso jaguar surge e começa a perseguí-los, dom Juan dá uma aula valiosa ao Castañeda de como podemos manejar a interpretação para provocar um movimento do ponto de encaixe, fazer com que nossos comandos se tornem os comandos da Águia

“Dom Juan explicou que os sentimentos humanos eram como correntes de ar frio ou quente que podiam ser facilmente percebidas pelos animais. Nós somos os emissores; O jaguar era o receptor. Qualquer que fosse a sensação ou o sentimento que tivéssemos, abriria caminho até o jaguar. Ou melhor, o jaguar poderia capturar qualquer sensação ou sentimento que fosse usual para nós. No caso de criar uma nuvem de poeira, nossos sentimentos sobre isso seriam tão fora do comum que só poderiam criar um vácuo no receptor.
Outra manobra que o conhecimento silencioso poderia ditar seria levantar poeira a pontapés – disse dom Juan.
Me olhou por um instante, como se esperasse minha reação.
– Vamos caminhar com muita cama, agora – disse. E você vai levantar poeira a pontapés como se fosse um gigante de três metros.
Devo ter feito uma expressão bem estúpida no rosto, dom Juan se estremeceu de riso.
– Levante uma nuvem de pó com os pés – me ordenou. Sinta-se enorme e pesado.
Tentei fazê-lo e de imediato tive uma sensação de corpulência.
Num tom de brincadeira, comentei que seu poder de sugestão era incrível. Eu me senti realmente gigantesco e feroz.
Ele me assegurou que minha sensação de corpulência não era, de nenhuma forma, o produto de sua sugestão, mas sim o produto de um movimento do meu ponto de encaixe. Ele disse que os mitos dos lendários homens da antiguidade eram para ele histórias de feitiçaria sobre homens reais que conheciam, graças ao conhecimento silencioso, o poder que é obtido ao mover o ponto de encaixe.
Ele reconheceu que em pequena escala, os feiticeiros modernos recuperaram esse antigo poder. Com um movimento de seus pontos de encaixe, eles podiam alterar o que percebiam e, assim, mudar as coisas. Ele me assegurou que naquele momento, eu estava mudando as coisas porque eu me sentia grande e feroz. Os sentimentos, processados desta forma, eram chamados de intento. Ele disse que talvez todo o ser humano em condições normais de vida tivesse, em algum momento, a oportunidade de sair dos limites convencionais. Ele enfatizou que ele não estava se referindo às convenções sociais, mas às convenções que limitam nossa percepção. Um momento de jubilo é suficiente para mover nosso ponto de encaixe e romper com essas convenções. Assim também como um momento de medo, de dor, de raiva ou de tristeza. Mas geralmente, quando temos a possibilidade de mover o nosso ponto de encaixe, ficamos assustados. Nossos princípios religiosos, acadêmicos ou sociais entram em jogo, garantindo nossa urgência de mover nossos pontos de encaixe de volta para a posição prescrita pela vida normal; nosso desejo de retornar ao rebanho.
Ele me disse que todos os místicos e mestres espirituais que se conhecia fizeram exatamente isso: moveram seus pontos de encaixe, seja por disciplina ou por acaso. Removeram-no do lugar habitual e depois voltaram ao normal, carregando com eles uma memória que duraria por toda a vida.
“No momento o seu ponto de encaixe já se moveu bem”, ele prosseguiu. “E agora você está na posição de perder o que ganhou ou de fazer o seu ponto de encaixe se mover ainda mais. Você pode sentir agora que você é muito bom e muito civilizado e esquecer o movimento inicial do seu ponto de encaixe. Ou você pode sentir que você é um homem destemido e que pode empurrar-se além de seus limites razoáveis.
Eu sabia exatamente o que ele queria dizer, mas havia uma dúvida estranha em mim que me fez hesitar.
Don Juan insistiu um pouco mais no mesmo ponto. Ele disse que o homem comum, incapaz de encontrar a energia para perceber além de seus limites cotidianos, chama o reino da percepção extraordinária de bruxaria, feitiçaria ou obra do diabo; e ele se afasta horrorizado sem ousar examiná-lo.
“Mas você já não pode mais continuar fazendo isso”, continuou ele. Você não é uma pessoa religiosa e é terrivelmente curioso. Você não poderá descartar isso. A única coisa que poderia impedi-lo agora é a covardia.
“Converta tudo no que realmente é: o abstrato, o espírito, o nagual. Não há feitiçaria, não há maldade, nem demônio, há apenas percepção.
Eu o entendi perfeitamente, mas não consegui determinar exatamente o que ele queria que eu fizesse. Olhei para Don Juan, tentando encontrar as palavras mais apropriadas para lhe perguntar. Eu tinha entrado em um humor extremamente funcional e não queria desperdiçar uma única palavra.
– Seja gigantesco! – Ele ordenou, sorrindo – Esmague a sua razão!
Compreendi então o que ele queria dizer. Mais ainda; Eu sabia que eu poderia aumentar a intensidade de minhas sensações de tamanho e ferocidade para ser verdadeiramente um gigante, subindo acima dos arbustos, capaz de ver tudo ao nosso redor. Eu tentei expressar meus pensamentos, sem poder fazê-lo. Então eu percebi que Don Juan sabia o que eu pensava e, obviamente, muitas, muitas outras coisas.
E naquele momento, algo extraordinário me aconteceu. Minhas faculdades de raciocínio deixaram de funcionar. Literalmente, senti como se estivesse envolto num cobertor preto que escurecia meus pensamentos. E eu larguei minha razão com o abandono daqueles que não têm nada com que se preocupar. Eu estava convencido de que, se eu quisesse livrar-me daquele cobertor escuro, tudo o que eu tinha que fazer era abrir o meu caminho através dele. Nesse estado, senti-me empurrado, em movimento. Algo me fez mover fisicamente de um lugar para outro. Não experimentei fadiga. A velocidade e a facilidade com que me movi me encheram de alegria.
Eu não tinha a sensação de andar, nem estava voando. Pelo contrário, fui transportado com muita facilidade. Meus movimentos se tornavam espasmódicos e desajeitados apenas quando tentava pensar neles. Quando desfrutei deles sem pensar, entrei em um estado de alegria física sem precedentes na minha existência. Se houvesse ocorrido algum caso desse tipo de felicidade física na minha vida, deve ter sido tão breve que não tinha deixado nenhuma lembrança.

No entanto, quando experimentei esse êxtase, parecia reconhecê-lo vagamente, como se eu o tivesse conhecido uma vez, mas tivesse me esquecido disso. A alegria de ser transportado através do chaparral foi tão intensa que todo o resto cessou. A única coisa que existia para mim era esse estado de alegria e felicidade física, e nos momentos em que eu deixava de ser transportado, o prazer parava e então eu estava de frente para o chaparral. Mas ainda mais inexplicável foi a sensação, totalmente corporal, de que eu me levantava dois metros acima dos arbustos. Num certo momento, vi claramente a silhueta do jaguar não muito à minha frente. Ele estava fugindo a toda velocidade.
Senti como tentava evitar os espinhos dos cactos. Estava pisando com muito cuidado.
Senti o incontrolável desejo de correr atrás do animal para assustá-lo até fazê-lo perder a cautela. Sabia que dessa forma ele pisaria nos espinhos. Uma idéia literalmente irrompeu então em minha mente silenciosa: pensei que o jaguar seria muito mais perigoso se se machucasse com os espinhos. Essa idéia produziu o mesmo efeito que teria se alguém me despertasse de um sonho.
Quando percebi que meus processos intelectuais estavam funcionando novamente, eu me encontrei na base de uma pequena cadeia de colinas rochosas. Olhei em volta. Don Juan estava a alguns metros de distância. Ele estava visivelmente exausto, pálido e respirando com dificuldade.
– O que aconteceu, don Juan? Eu perguntei, depois de tossir para limpar minha garganta irritada.
“Diga-me você o que aconteceu!”

(O Poder do Silêncio, Carlos Castañeda)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *