, ,

Castañeda fala sobre as diferentes opções dos brujos para a morte

o segredo da serpente emplumada armando torres

A opção dos brujos

Carlos manteve que em todo o Cosmos ocorre uma batalha feroz pela consciência, o que poderia ser comparada, de alguma forma com a guerra mesquinha que ocorre em nosso mundo pelo dinheiro e pelos bens materiais. Dizia que essa tremenda batalha pela evolução, por prevalecer, ocorre em todos os níveis de existência com a mesma intensidade feroz. Inclusive dentro de nós mesmos, neste exato momento, essa batalha está sendo travada.

“O guerreiro, consciente disto, arma a estratégia de sua vida da melhor maneira possível para evitar o desgaste. Permanecendo alerta, evita cair vítima dos ataques, ao mesmo tempo que economiza significativamente sua energia “.

Naquela ocasião, pedi a ele que me falasse com mais detalhes sobre o que ele chamava de “a opção dos brujos”. Eu havia entendido pelos seus livros, que, no momento da morte, as pessoas que não conseguem a liberdade total são consumidos pela Águia e ponto final.

Ele respondeu:

– Realmente, há uma vasta gama de possibilidades para aqueles que morrem, que vão desde a perda imediata da consciência no momento da transição, até manter a lembrança de si mesmo por um determinado período de tempo.

“A morte, assim como a vida, toca a todos nós, mas não é o mesma para todos. Em suas investigações, os brujos encontraram maneiras de estender a duração da consciência individual ao máximo “.

– Você quer dizer que eles se tornaram imortais?

– Não, de forma alguma. O que estou dizendo é que os feiticeiros encontraram uma maneira de suspender a morte, mas não de cancelá-la. Para eles, morrer não significa o mesmo que para os outros. Eles sabem que o oposto de morrer não é imortalidade, mas continuar existindo. O truque está em entender que estar vivo não significa apenas ser um organismo, mas estar consciente.

“Para os videntes de todas as épocas esse sempre foi um assunto de grande interesse, porque tem a ver com o verdadeiro propósito da nossa existência. De modo que os antigos usavam a vidência para investigar, e descobriram que, num primeiro momento, a energia assume a forma física para evoluir.

“Sua próxima observação foi que, ainda que a vida biológica tenha um período limitado de tempo e deixe de existir em seguida, a energia que anima a matéria é eterna. Eles viram que através da disciplina e auto-determinação, é possível treinar este pacote de energia que nos molda para que se torne consciente de si mesma.

“Unindo ambas as descobertas, aqueles brujos videntes se propuseram ser conscientes para sempre. É isso que eles querem dizer quando falam em conquistar a liberdade; O que eles realmente tentam fazer é alongar a individualidade da consciência pelo período de tempo mais longo possível.

“Essa é uma batalha fenomenal, onde a chama da consciência luta a todo momento para continuar acesa. É realmente, como foi dito, a luz de uma vela frente ao brilho de um bilhão de estrelas. “

A última manobra

Na oportunidade seguinte em que o encontrei, disse a ele que, depois de considerar o que ele me tinha dito na nossa última conversa, novas questões surgiram. Ele olhou para mim indagador e ergueu as sobrancelhas como que dizendo: “solte-as”.

Minha curiosidade estava relacionada à forma como viviam aqueles que se transformaram em entidades inorgânicas, e quais eram suas atividades. Perguntei-lhe como eles conseguem levar a cabo essa transformação.

– Essa é uma questão pessoal – ele respondeu -. Cada linhagem tem seus próprios objetivos e seus métodos peculiares para alcançar isso. Há brujos que se transformaram em árvores ou se enterraram vivos para desafiar a morte. Há também grupos que acreditam que o corpo é um obstáculo, motivo pelo qual se libertam de suas partes físicas no momento de partir. Don Juan e seu grupo não deixaram nem cinzas: passaram com sandálias e tudo, da maneira mais elegante, dissolvendo-se no ar.

“Os guerreiros da liberdade total, por outro lado, são aqueles que se misturam com as emanações livres e desaparecem de forma definitiva, consumidos pelo fogo interior. Ninguém nunca volta a saber deles. Esta é, na verdade, uma viagem apenas de ida.

“Alguns acreditam que, mesmo neste estado, é possível manter o senso de individualidade intacta. Outros pensam que, em vez de ser a liberdade total, isto é apenas a morte total. Ninguém sabe realmente o que acontece. Há poucas relatos de guerreiros que decidiram enfrentar essa manobra final; o nagual Julian Osorio foi um deles.

“Mas a grande maioria escolher outras opções menos definitivas como, por exemplo, se juntar ao mundo dos seres inorgânicos, mesmo sabendo que esta decisão envolve sérias desvantagens, porque nesse mundo, assim como aqui, o indivíduo serve ao coletivo e acaba trocando a possibilidade de permanecer consciente pela escravidão.

“A outra opção é o que eu já lhe disse: tentar alcançar a cúpula dos naguais. Aqueles que optaram por isso continuam vivos até hoje, ainda que chegue o momento em que devam abrir mão da consciência, e que tenham que devolver todas as experiências obtidas ao seu dono original. Essa é a razão pela qual chamam aquele lugar de “o cemitério dos naguais”, porque, não importa quanto tempo eles sobrevivam, algum dia eles terão que morrer ”.

(O Segredo da Serpente Emplumada, Armando Torres)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *